E com a pegada que venho falando de Old NY, peças étnicas e todas essas pequenas coisas que estão em torno do lifestyle que levo, não poderia deixar de dividir isso aqui com vocês.

Depois de anos segurando a antiga TV de tubo, comecei 2014 em alta definição. Sim, até então não tinha essas modernidades: plasma, apple TV, HD, …
Finalmente eu e o Netflix somos melhores amigos e estou aproveitando para rever e assistir filmes clássicos que ainda não tinha tido a oportunidade de assistir.
A pegada Old NY e as coisas étnicas que citei acima? O que quero falar aqui é da trilogia dos filmes de Sergio Leone: Por um punhado de Dollares, Por uns Dollares a Mais e The Good The Bad and The Ugly, de 1964, 65 e 66 respectivamente.

Acho que todo menino, leia-se homem, deveria assistir a essa trilogia que conta histórias de caçadores de recompensa no velho oeste americano e o mais importante deles, Clint Eastwood bem jovem e cheio de estilo com ponchos, chapéu e botas incríveis. Já tinha assistido pequenas partes de cada um deles, mas nunca tinha parado para assistir e prestar atenção em todos eles em conjunto.
Conhecido também como Trilogia do Homem sem Nome ou Trilogia dos Dólares, os filmes somente têm em comum a fotografia, Clint Eastwood e Bang Bang, pois a história de um não tem nada a ver com os outros, inclusive aparecem mesmos atores interpretando diferentes personagens.

Tudo que você já viu de festa temática, velho oeste, filmes novos que tenham essa pegada e qualquer coisa relacionada ao tema” Cowboy americano”, com certeza todas essas coisas beberam na fonte do diretor Sergio Leone que por sua vez foi até o oriente beber na fonte de Akira Kurosawa.
A fotografia solitária dos desertos da região que divide os Estados Unidos do México combinam perfeitamente com as trilhas produzidas por Ennio Morricone e dão suspense às cenas de duelos entre caçadores de recompensa. As roupas são demais, com couro gasto, materiais de montaria, os cintos de revólver cheio de balas, as casas, charretes… tudo está relacionado! A pegada do estilo Old NY com essas peças e detalhes das casas, a pegada étnica também está presente com herança dos índios americanos que habitavam a região e claro, essa coisa masculina que nós homens nos divertimos ver, como uma bota entrando em cena em um duelo, um chapéu sendo bem colocado e com estilo, um fósforo sendo riscado na parede para acender um charuto encaixado na lateral da boca, enfim, são esses pequenos detalhes que tornam Clint Eastwood a trilogia de Leone em clássicos!

Assistam e não vão se arrepender.

Para quem não sabe, foi na fonte de Sergio Leone que Quentin Tarantino bebeu e assumiu ter bebido para fazer Django, que também tem essa pegada “Western” adicionado às suas pitadas modernas. Outra coisa… falei mais acima sobre a fonte que Leone foi beber em Akira Kurosawa, um dos diretores japoneses mais importantes e respeitados da história, certo? Pois também foi nessa fonte que Tarantino foi beber para fazer Kill Bill… ou seja, volto a dizer  que está tudo relacionado e  que Tarantino é um grande liquidificador em que mistura várias referências muito boas e o suco que sai é de alto sabor e alta criatividade na mistura das “cores”. É genial? Sim, ele também é!

Tem que assistir!

Imagens: Reprodução