@victorcollor no Instagram


Artigos da categoria: PRATELEIRA

Vocês já conheceram o trabalho de Marcos Zeeba quando falei dele aqui e das fotos que fiz do menino que é talento puro. Formado em Los Angeles na MI, uma das escolas mais respeitada do mundo da Música, Zeeba se apresenta hoje no Karavelle, bar de cerveja boa de Dinho Diniz e Seu Jorge na rua Amaury no miolo do Itaim.

Recentemente Zeeba e sua banda até então, a Bonavox, ganharam o Grammy Amlipfier 2014, uma categoria dentro da premiação que enxerga novos artistas e usa as redes sociais para “amplificar”. Depois de rodar a California fazendo shows, os caras foram convidados para tocar no almejado festival SXSW / South by Southwest em Austin nos Estados Unidos. Demais né? Se liga aqui para entender.

Screen Shot 2015-05-28 at 6.25.47 PMScreen Shot 2015-05-28 at 6.14.26 PM

Com o prêmio na mão, a voz suave e de falsetes ótimos, Zeeba lança hoje o seu EP aqui em São Paulo diretamente de Los Angeles. Com pegada que nos lembram The Cooks, Maroon 5 e algumas coisas mais rock n roll como Strokes, o som agrada os ouvidos com letras de sua autoria.
Amanhã ele já estará no iTunes para vocês poderem baixar!

Selecionei aqui alguns vídeos que mostram o prêmio e a musica desse menino que ainda vai dar muito o que falar! Segura Zeeba!

 

Serviço:
Karavelle
Rua Amauri, 334, Itaim
karavelle.com.br
Horário: 8pm

 

Curtiu? Então amanhã pode buscar por Marcos Zeeba no iTunes ou acompanhar tudo pelo site dele AQUI ou no facebook.

VC_-09072013_DSF2211 VC_-09072013_DSF2229 VC_-09072013_DSF2240-Edit

Cheers!

Fotos: Reprodução e @victorcollor

Tem algum tempo que acompanho a postagem diária do meu querido Fernando Schlaepfer, um dos idealizadores do divertido coletivo carioca de fotografia e baguncinhas I Hate Flash. Já falei muito dos caras aqui lá atrás quando fui ao Coachella com a turma da então Ausländer do querido Cadinho Brautigan. Depois rolou muitas bagunças como os finais de ano em Milagres e por que não, o último Lollapalooza que vocês viram aqui as fotos do bonde de 80 pessoas que levei ao festival.

Através de um Tumblr, afinal o instagram e facebook não são muito amigos de pessoas nuas, Fernando está numa missão de postar uma foto de uma pessoa nua por dia, sendo o total de 365 postagens com a #365nus.
Tem foto em tudo que é canto e de todas as formas. Mais aberto, mais fechado, silhueta, banheira, jardim, mães com crianças… enfim, um trabalho lindo de ver pela beleza de ser tudo muito cru, muito natural e sem mega produções, muito menos mega maquiagens, não vou nem falar de produção de moda pois estamos falando de pessoas nuas, lindas e da forma que são, sem mais nem menos… Cru!

É sempre gostoso ver pessoas peladas, não é? Há belezas em tudo que é forma, independente do que a sociedade julgue ser o padrão a ser conquistado. Foda-se o seu preconceito e desculpa o palavreado, até seu avô já participou da ideia. Se liga!

Clica AQUI para ver o material na íntergra e segue Fernando no instagram que ele tem um daqueles perfis gostosos de seguir. Uma bagunça ali, mulher aqui, tudo com uma pegada carioca que essa turma tanto lutou para criar a cena mais divertida do Rio de Janeiro!

Screen Shot 2015-05-27 at 1.01.38 PM

tumblr_nmxjrthDP11qba6lwo1_1280 tumblr_nnlop3HVW01qba6lwo1_1280tumblr_no7fg1Hk9o1qba6lwo1_1280tumblr_nniy3t2svQ1qba6lwo1_1280 tumblr_noojesyWQp1qba6lwo2_r1_1280 tumblr_no25bdkbLd1qba6lwo2_r1_1280 tumblr_nna46lI8Si1qba6lwo1_r1_1280tumblr_nmsbaqukVO1qba6lwo1_1280

 

Fotos: @anendfor

 

Escrevendo esse post, resolvi vasculhar materiais antigos e achei essas três fotos que mostram bastante da essência de Fernando. Tira onde com ele mesmo, dá risada sempre e não se leva a sério. Isso sim é gente divertida!
Essas fotos foram feitas na Pool Party na viagem do Coachella com Cadinho. Tinha acabado de conhecer Fernando no ônibus da galera e o que nos uniu foi a fotografia. Ele com uma Leica linda e eu fui lá puxar papo dizendo que minha mãe estava no Japão e a encomenda era um Fuji X100S que vocês sempre vêm no meu instagram. Câmeras e busão, ainda rolou um problema no hotel e acabamos dividindo o quarto durante o festival. Eu, ele e o até então um cabra chato, Raul Aragão. Hoje estamos todos em casa e a diversão é garantida! Cheers!

VC_-12042013_MG_8476 VC_-12042013_MG_8477 VC_-12042013_MG_8478

 

Pelado, pelado, nú com a mão no bolso!

Fotos: @victorcollor

Há alguns meses estava sentado na cadeira da minha dentista, com a boca aberta e fazendo um check up na dentadura. Em conversa pra lá e pra cá ela me perguntou se eu conhecia um de seus pacientes, o Mundano. Na verdade só fui lembrar quando ela contou que ele era o responsável pelo projeto Pimp My Carroça. Logo lembrei que já tinha ouvido falar no nome do projeto mas não conhecia nada do artista.

Junto a isso, fui convidado a integrar o Young Host Committee do Brazil Foundation Gala São Paulo que rola na próxima segunda-feira, 25 aqui na Sala São Paulo. Quando ví a apresentação do jantar, quem estava lá? Sim, Thiago Mundano estampando a participação especial da noite. Assim que acabar de ler esse post, você vai entender por que ele está lá.

Thiago, nascido no Brooklyn em São Paulo, sempre achou tudo muito cinza em uma das maiores metrópoles do mundo. O asfalto, o concreto, a poluição, o transito e passou então a eliminar esse cinza através da arte de rua, o grafite.
Em vários pontos da cidade é capaz de enxergar um pouco de cor e algumas de suas mensagens, sejam elas mais escondidas, sejam elas na intensamente movimentada avenida 23 de Maio, que liga o centro ao Ibiraquera e o aeroporto de Congonhas.
Infelizmente o grafiti ainda sofre muito preconceito e muitas vezes quem está ali dando cor à cidade é reprimido pela polícia ou algum órgão do governo que trata aquilo como sujeira, lixo e poluição.
Imagina como seria um túnel recheado de grafitis, seguindo a circunferência até o topo. Genial, não é mesmo?

Grafiti reprimido e vontade de deixar a cidade mais colorida, como trabalhar sem ninguém encher o saco? Conversar com a Prefeitura e todo aquele bla bla bla que vem junto? Não, Mundano ia pedindo licença para cada morador de rua ou que estava perto dos lugares escolhidos por ele para pintar. Foi ai que ele começou a ter a relação com os carroceiros e a ideia de criar o projeto Pimp My Carroça.

Segundo Mundano, em São Paulo são 20 mil catadores de lixo e eles são responsáveis por 80% da reciclagem, o que na verdade deveria ser trabalho da prefeitura. Ou seja, esses caras têm um papel fundamental na vida da cidade, mas infelizmente são invisíveis para quem não os enxerga dessa forma, quase todo mundo.
Mundano então passa a colorir a vida dessas pessoas colocando sua arte e frases nas carroças desses caras que têm baixa auto estima e são diariamente xingados no trânsito por “ocuparem um espaço” que não os pertence. A rua é pública, não é?

O trabalho social vai além e ele ajuda na manutenção da carroça, deixando ela inteirinha para rodar mais inúmeros quilômetros pelas ruas já não tão cinzas não só de São Paulo, como de outras também.
Essa é a ideia do projeto em crowd funding Pimp My Carroça que ele faz para arrecadar uma grana e criar um grande evento. O primeiro rolou em São Paulo no Vale do Anhangabaú onde ele convidou os carroceiros para receberem assistência em suas carroças e por que não assistência neles mesmos. Estavam lá médicos, dentistas, óculos de grau novinho! Tudo isso em por um dia com a ideia de estampar um sorriso na vida dessas pessoas e por que não, estampar também os noticiários com uma ideia genial e critica como essa?
Não há religião maior ou mais bonita do que fazer o bem. Independente do Deus que você escolheu ou já veio no pacote da sua família e história, fazer o bem e colocar sorriso na cara das pessoas, na minha opinião, ainda é a maior religião que há! Podemos chamar de religião? Não, não! Faça o bem e ponto!
Colocar mais sorriso na vida dessas pessoas e ainda criticar o sistema político, não tem preço! Parabéns Mundano!

Com certeza você já deve ter visto alguma obra do artistas, seja nas paredes, sejam nas carroças. Não os viu? Presta mais atenção agora que você vai ver e enxergar além quando tiver ouvindo seu som e dirigindo o seu carro!

Se liga no site do Pimp My Carroça e seja voluntário de uma das ideias de Mundano, que não são poucas e são grandes!
Acompanhe também pelo instagram pelo @pimpmycarroca, através da fanpage no facebook ou na do próprio Mundano.

1339709879_478351_311725115573551_1176679511_o content_thiagopost-carroca-gcatador-lixo512x410xFoto53.jpg.pagespeed.ic.C4l0dy5CIEScreenShot0063-600x410

 

Separei aqui embaixo alguns vídeos que mostram Mundano em ação nas palestras do TEDx. Pare tudo e assista com calma e em full screen!

Mundano, sou teu fã!

Imagens: Reprodução

Lembram que falei aqui sobre Everything or Nothing, o documentário que conta toda a história por trás de Ian Fleming, Cubby Broccoli e Harry Saltzman? Um prato cheio para quem curte James Bond e uma enciclopédia para quem está começando a se interessar pelo assunto.

Ainda nas minhas voltas pela rede, achei esse documentário que vale a pena assistir e saber tudo o que rolou por trás da primeira produção que foi ao cinema e abriu a maior série do cinema: 007 contra Dr. No.
O doc fala dos primeiros passos dos produtores com o autor Ian Fleming, até as curiosidade das filmagens na Jamaica com Sean Connery e uma das imagens mais clássicas do cinema com Ursula Andress saindo do mar de biquini, uma faca e algumas conchas – quem não lembra?

O cigarro, o isqueiro, o Rolex Submariner, o terno que tem que ter mais espaço embaixo do braço esquerdo para caber sua arma, … essas são algumas das curiosidades que o doc mostra sobre o personagem que é referência para qualquer homem moderno.

h6tnJdvm0rZNQ3BwrlribwgF1YU dr-no-0 Dr.NoHalfSheet dr_no_ver3_xlg dn_dr_no_foto_jamaica_ursula_andress_honey_ryder_37_pattern_belt_dive_knife_AA_01_01a ursula_andress_drno honey-ryder-in-dr-no

 

Assista ao filme e depois veja o documentário…

Imagens: Reprodução

Extra Extra! Acabou de sair, agora há pouco às 11:45h no horário GMT o novo trailer de S.P.E.C.T.R.E, o novo filme da maior saga do cinema que vocês já sabem que sou fã desde pequeno.
Já falei aqui sobre um trailer que havia saído, mas que pelo que visto era um “falso”que estava rodando na rede ou havia vazado. Digo isso pois ele saiu do ar e não há nada parecido no youtube.

Hoje é oficial e está na página do 007.com. Se liga aqui para ver de perto parte da nova aventura de Bond, James Bond que tem Christoph Walt como vilão.

04141746325621

Junto com o novo trailer, também soltaram os novos pôsteres do filme que na real, achei bem bobo, além dos caras terem pesado a mão na cor dos olhos de Daniel Craig. Mas vale ficar de olho na pulseira Nato do Omega e a conitnuacão da arma Walther PPK na maior série do cinema. Se liga:

1$_V?_Job Name 1$_V?_Job Name 1$_V?_Job Name 1$_V?_Job Name

Bond is Back!

Imagens: Reprodução

O carinho e a paixão pelo personagem de Ian Flemeing já é antiga. Lembro das pesquisas que fazia, as revistas que comprava com matérias sobre o agente secreto mais famoso do mundo, os isqueiros Zippo com cartazes dos filmes, os livros em alemão, os brinquedos e qualquer coisa que de alguma forma tinha uma ligação com Bond.

Foram anos de pesquisa e “acompanhamento” da evolução do personagem, além de ver e rever muitas vezes os filmes. São fases da vida que volto a “pirar” em James Bond. Agora por exemplo, voltei a fase e já re-assisti a todos de Sean Connery, primeiro Bond de 62 com Dr. No até 71 com Diamonds Are Forever. Já passei pela era pós Guerra Fria com GoldennEye, Tommorow Never Dies e The World is Not Enough, mas me recusei a assistir Die Another Day, que na minha opinião é o pior filme da série sem sombra de dúvidas.

Vendo e revendo cada detalhe desses filmes e do personagem de Ian Fleming, bati de frente com o documentário Everything Or Nothing de 2012 que celebra os 50 anos de Bond e nos introduz ao autor e como ele se juntou com Harry Saltzman e Albert R. “Cubby” Broccoli, dupla de produtores que fez o personagem de Fleming alçar vôos que ele até então não havia imaginado.
Muita coisa interessante se passa nas quase duas horas de documentário que é ilustrado com cenas dos filmes enquanto mostra a história real por trás dos altos e baixos da maior saga do cinema. Muita coisa eu já sabia devido aos anos de pesquisa, mas confesso que fiquei em choque com a quantidade de novidade de vi de perto:

•Até então eu não sabia que Ian Fleming era um ex oficial da inteligência Naval do Reino Unido e no pós guerra, resolveu escrever suas novelas com um personagem um tanto quanto peculiar. Daí você para e pensa: Como ele conseguia saber sobre planos dos soviéticos, os armamentos, equipamentos de transmissão, salas de convenção e todo esse universo por trás de 007? Está aí a resposta.

• EON Productions significa “Everything Or Nothing” devido ao jeito da dupla Broccoli e Saltzman trabalharem… era na base do “oito ou oitenta”, tudo ou nada. Genial, não?

• A morte de Ian Fleming nas gravações de Thunderball, o quarto filme.

• A briga judicial entre Ian Fleming e Kevin McClory pelos direitos autorais de Thunderball. Além de ter sido ele o responsável por colocar Sean Connery de volta no papel de Bond após uma briga feia com Harry Saltzman em Never Say never Again, um filme  fraco que tem a mesma história de Thunderball e personagens de mesmo nome, com um Sean Connery bem mais velho, 10 anos após sua última aparição em Diamonds Are Forever com Bond.

• A história por traz de George Lazenby, até então um modelo famoso da época que nunca tinha atuado antes. Inventa umas mentiras para Saltzman e consegue o papel que até então, ter a vida que James Bond levava, cheio de mulheres, bebidas, viagens e a licença para matar, era o seu sonho. Até que a licença para matar se tornou um problema na época do movimento Flower Power, o surgimento dos hippies e o movimento anti guerra. Isso o fez pedir “demissão” do cargo, chegando ao ponto de ter ido a pré estréia de On Her Majesty’s Secret Service com longos cabelos e barbudo como um “protesto”. Saltzman e Cubby não gostaram nada da ideia.

• A história em que Pierce Brosnan seria James Bond em The Living Day Lights de 87 e perdeu o papel para Timothy Dalton devido ao um contrato com uma série de TV que não o liberou.

• A melhor frase do documentário que nos faz pensar bastante. Em entrevista, Pierce Brosnan fala: “Mais homens já andaram na Lua do que interpretaram James Bond”

 

Detalhes como esses que deixam qualquer fã ainda mais contente por saber ainda mais curiosidades sobre o personagem, a histórias por trás e uma infinidade de depoimentos. Vale muito a pena assistir. Infelizmente não há na Apple TV do Brasil e no Netflix. No Youtube tem ele em partes, mas chega um ponto que acaba faltando bastante material… Tem que achar na rede!

everything-or-nothing-quad-james-bond-documentary-epix

iannnn Bond-Flemming-on-set1 on-her-majestys-secret-service
george-lazenby

tumblr_inline_mhb0smG1wz1qz4rgp MV5BMTU1ODQ4NjUxNV5BMl5BanBnXkFtZTcwNDg0NDk0OA@@._V1_SX640_SY720_ 88 Timothy_Dalton_abd_Jeroen_Krabbé_1987 vogueus0608dariapierce0wo2
bondmakesadeal50
tumblr_m4dubnyqVy1qh588ko1_500

 

Que tenhamos muito mais “Shaken, not Stirred”por muitos anos!

Fotos: Reprodução

 

 

Em casa o negócio é o seguinte… só se escuta vinil e vocês vão entender o meu ponto.

A ideia de ouvir um disco inteiro, de cabo a rabo, foi algo que ficou perdido no tempo e com o pulo de CD para MP3, a coisa se perdeu mesmo. Ou seja, ouvir o disco do artista que você curte em vinil tem esse ponto positivo, de entender o que artista quis colocar no lado A e no lado B do disco. É daí que você começa a entender que as vezes um disco pode ter uma pegada até a metade e mudar completamente na metade final… eis o lado A e o lado B. Isso é muito nítido nos discos dos Rolling Stones – um lado com uma pegada mais guitarra e rock ‘n’ roll e o outro lado com Mick e seus gritinhos em trilhas mais melódicas.

Dando minhas voltas pela rede, achei no Mercado Livre um ótimo vendedor de discos (RythmRecords) que por acaso estava vendendo essa raridade, que é o disco single de Space Cowboy com 6 versões da mesma música – como era boa essa época de singles! Há mais ou menos 8 anos ganhei um “kit” de uma ex namorada que entende tudo de música. Dentro do tal kit, só CD’s com singles de inúmeras músicas de Jamiroquai – uma das bandas que mais admiro. Que presente, não? Na época CD ainda tinha um lugar ao sol e achar isso aqui no Brasil realmente deve ter sido um trabalhão! Tá aqui o meu muito obrigado mais uma vez!
Voltando a kit, lá estava o single de Space Cowboy com uma das capas mais debochadas que eu conheço e com essa versão instrumental que é de te deixar completamente em paz. Escuta o som e tenta achar a versão na rede! Cheers!

d3429f16ee1d20a30c3547717f6 51VpJJEVouL

“…Cheeba cheeba, kind of Space Cowboy vibe…”

Imagens: Reprodução