@victorcollor no Instagram


Artigos da categoria: > Cultura

E com a pegada que venho falando de Old NY, peças étnicas e todas essas pequenas coisas que estão em torno do lifestyle que levo, não poderia deixar de dividir isso aqui com vocês.

Depois de anos segurando a antiga TV de tubo, comecei 2014 em alta defini√ß√£o. Sim, at√© ent√£o n√£o tinha essas modernidades: plasma, apple TV, HD, …
Finalmente eu e o Netflix somos melhores amigos e estou aproveitando para rever e assistir filmes cl√°ssicos que ainda n√£o tinha tido a oportunidade de assistir.
A pegada Old NY e as coisas étnicas que citei acima? O que quero falar aqui é da trilogia dos filmes de Sergio Leone: Por um punhado de Dollares, Por uns Dollares a Mais e The Good The Bad and The Ugly, de 1964, 65 e 66 respectivamente.

Acho que todo menino, leia-se homem, deveria assistir a essa trilogia que conta histórias de caçadores de recompensa no velho oeste americano e o mais importante deles, Clint Eastwood bem jovem e cheio de estilo com ponchos, chapéu e botas incríveis. Já tinha assistido pequenas partes de cada um deles, mas nunca tinha parado para assistir e prestar atenção em todos eles em conjunto.
Conhecido também como Trilogia do Homem sem Nome ou Trilogia dos Dólares, os filmes somente têm em comum a fotografia, Clint Eastwood e Bang Bang, pois a história de um não tem nada a ver com os outros, inclusive aparecem mesmos atores interpretando diferentes personagens.

Tudo que voc√™ j√° viu de festa tem√°tica, velho oeste, filmes novos que tenham essa pegada e qualquer coisa relacionada ao tema” Cowboy americano”, com certeza todas essas coisas beberam na fonte do diretor Sergio Leone que por sua vez foi at√© o oriente beber na fonte de Akira Kurosawa.
A fotografia solit√°ria dos desertos da regi√£o que divide os Estados Unidos do M√©xico combinam perfeitamente com as trilhas produzidas por Ennio Morricone e d√£o suspense √†s cenas de duelos entre ca√ßadores de recompensa. As roupas s√£o demais, com couro gasto, materiais de montaria, os cintos de rev√≥lver cheio de balas, as casas, charretes… tudo est√° relacionado! A pegada do estilo Old NY com essas pe√ßas e detalhes das casas, a pegada √©tnica tamb√©m est√° presente com heran√ßa dos √≠ndios americanos que habitavam a regi√£o e claro, essa coisa masculina que n√≥s homens nos divertimos ver, como uma bota entrando em cena em um duelo, um chap√©u sendo bem colocado e com estilo, um f√≥sforo sendo riscado na parede para acender um charuto encaixado na lateral da boca, enfim, s√£o esses pequenos detalhes que tornam Clint Eastwood a trilogia de Leone em cl√°ssicos!

Assistam e n√£o v√£o se arrepender.

Para quem n√£o sabe, foi na fonte de Sergio Leone que Quentin Tarantino bebeu e assumiu ter bebido para fazer Django, que tamb√©m tem essa pegada “Western” adicionado √†s suas pitadas modernas. Outra coisa… falei mais acima sobre a fonte que Leone foi beber em Akira Kurosawa, um dos diretores japoneses mais importantes e respeitados da hist√≥ria, certo? Pois tamb√©m foi nessa fonte que Tarantino foi beber para fazer Kill Bill… ou seja, volto a dizer ¬†que est√° tudo relacionado e ¬†que Tarantino √© um grande liquidificador em que mistura v√°rias refer√™ncias muito boas e o suco que sai √© de alto sabor e alta criatividade na mistura das “cores”. √Č genial? Sim, ele tamb√©m √©!

Tem que assistir!

Imagens: Reprodução

Ontem assisti mais uma vez ao filme The Beach (A Praia) com Leornado Di Caprio bem moleque buscando aventura pelas ilhas da Tail√Ęndia.

Lembro que assisti ao filme de¬†Danny Boyle quando saiu no cinema e eu ainda morava na Su√≠√ßa… Eu, moleque, confesso que fiquei com medo do tal Duffy, interpretado por Robert Carlyle, e o respons√°vel por trilhar a aventura de Richard (Di Caprio) at√© a tal praia.

Toda vez que assisto ao filme, enxergo beleza em novas coisas. Pouca gente percebe, mas a que mais me pega e a ideia de preserva√ß√£o, de cuidar do que realmente queremos manter/cultivar… √Č a velha cr√≠tica que gosto de fazer em rela√ß√£o a homogeneiza√ß√£o do mundo, em que voc√™ viaja horas e horas para chegar em um lugar e ter a mesma comida, o mesmo servi√ßo e at√© uma cama melhor que a sua. Tem no√ß√£o para onde estamos indo? Tudo est√° ficando igual, aos poucos perdemos valores que realmente nos distinguem um dos outros, culturas, pa√≠ses, … triste realidade.

No post “Maria vai com as Outras” falo um pouco sobre isso e desse “conforto” que a maioria das pessoas t√™m em ir aos mesmos lugares e n√£o conhecer coisas novas, ou seja, o j√° conhecido vira o lugar onde todos est√£o e v√£o. √Č o exemplo de Trancoso e Cabo Polonio que cito no post. Clica aqui pra ler.

Considerado um filme jovem, que alguns possa considerar bobo, al√©m da ideia de preserva√ß√£o de algo inexplorado, h√° tamb√©m rela√ß√£o entre pessoas em uma pequena comunidade, brigas, romances, desentendimentos, … al√©m de deixar um morrer para n√£o revelar o local da ilha como um pacto entre todos “habitantes” da ilha. S√£o v√°rios pontos e se voc√™ ainda n√£o assistiu, vale a pena… e tem no Netflix em HD. Cheers!

 

V√≠deo com a trilha do filme com All Saints : Pure Shores… aquela coisa meio paix√£o de ver√£o, sabe? Se liga.

Clica AQUI

Sonho!

Imagem: Reprodução

Na semana passada li achei bem interessante o coment√°rio que Nizan Guanaes soltou para a imprensa, no site da RG, sobre a busca de uma nova classe alta aqui no Brasil, e resolvi dividir um pouco da minha vis√£o sobre isso.

A internet virou febre anos atr√°s e por fim, todos t√™m muita opini√£o sobre tudo e todos, ainda mais com os coment√°rios e rea√ß√Ķes no facebook e claro, nos blogs por ai, que por muitos s√£o considerados o lixo da “rede” com opini√Ķes rasas e sem base alguma.

Esse ano j√° tivemos um “salve” quando na semana de moda de Nova Iorque houve a proibi√ß√£o de blogs na primeira fila e todo o caso que rolou. Tudo bem que, em sua maioria blogueiras, comunicam algo em seus canais e logo o que foi comunicado est√° sold out no dia seguinte. Legal? Sim, afinal vivemos numa m√°quina capitalista em que para muitos, vale tudo para ganhar mais e mais, com ou sem conte√ļdo e cultura.
Verdade que muitas dessas pessoas que se tornam “celebridades” virtuais n√£o t√™m base alguma e pouco sabem do mundo que vivemos, muitas vezes se limitando a tela de seus computadores fazendo o que chamam de pesquisa, que por sua vez criam opini√£o concreta sobre tal lugar, tal coisa, mesmo sem nunca ter sentido o cheiro de tal. Se n√£o podem ter acesso a tal, que ao menos n√£o criem opini√£o formada sobre o assunto. Concordam?
Porque estou falando sobre isso? Pelo fato de uma classe específica seguir tais pessoas como se fossem donos da verdade e referências para a vida, sendo que essas pessoas muitas vezes não são.
Porque não se informar abrindo um livro, entendendo a história verdadeira, o que de fato importa? Não é mesmo? Pensando assim é tão simples fazer como se fazia antigamente.

Falo tudo isso pois h√° muito tempo que essa classe considerada alta, muitas vezes nem tanto, me deixa de boca aberta com suas a√ß√Ķes.
Não estou me colocando em nenhuma situação ou contexto e muito menos classe, somente expondo uma ideia que tenho há anos e converso vez aqui, vez ali nas rodas de amigos.
S√£o os famosos “maria vai com as outras” em que dependendo de quem v√°, de quem falou, vira febre. √Č Punta Del Este, √© Saint Tropez, √© St Barts e claro Nova Iorque, a cidade que absolutamente todo mundo tem opini√£o sobre, do melhor drink, melhor Dry, melhor bla bla bla, se limitando somente a Uptown sem conhecer o que realmente tem de melhor… ( em breve vou falar mais sobre isso aqui no VICCO).
N√£o fazem uma viagem para lugares que ningu√©m nunca falou, n√£o tentam achar algo novo, uma comida nova, afinal, por que ir a um lugar que eles n√£o poder√£o voltar ao Brasil e trocar informa√ß√Ķes, ou melhor, competir com os “amigos”, dizendo que lugares foram, o que tomaram, afinal, as experi√™ncias t√™m que ser quase sempre as mesmas. Viva a monotonia!

Tem um caso que exemplifica muito o que estou falando.¬†Tenho uma amiga querida que¬†h√° mais de 6 anos passa os finais de ano em Cabo Polonio, lugar lindo e p√© na areia/pedra no nosso irm√£o Uruguai. Quando saia com ela, acabava comentando para outras pessoas que ela falava muito desse lugar e a m√°gica que tinha por l√°… ¬†ap√≥s as conversas, por tr√™s vezes ela me pediu para n√£o falar e n√£o divulgar. OK, sem problemas, calei e consenti. Com os anos, Julia Chaplin escreve o livro Gypset Style que virou a b√≠blia dos que se consideram “descolados” por aqui. Na sequ√™ncia, Julia lan√ßa Gypset Travel com os lugares que seguem o estilo gyp setter, que √© uma mistura de Jet Setter, termo bobo que inventaram para ricos viajantes, com o estilo gipsy, cigano em ingl√™s.
No tal livro de viagens, estava Cabo Polonio como um dos destinos e logo comentei com essa minha amiga… Pum! Dito e feito! J√° come√ßou a virar febre entre essa turma que literalmente deve invadir em quest√£o de um ou dois anos. Esse ano, muita gente j√° falou, se n√£o me engano recentemente saiu uma mat√©ria em uma dessas revistas dedicadas a esse p√ļblico e por ai vai √°gua abaixo.
Um caso aqui no Brasil √© Trancoso que foi invadido anos atr√°s e hoje tem 40% do turismo s√≥ de paulistas, ou melhor, paulistanos, que nos finais de ano saem de onde vivem para ver o que e quem? Eles mesmos! √Č isso a√≠, passam o ano inteiro vivendo e vendo as mesmas pessoas para chegarem no fim do ano, nas t√£o desejadas f√©rias e ver as mesmas pessoas. H√° quem ache legal. Eu? Nem um pouco!

Por fim, o dinheiro n√£o compra estilo, bom gosto e nova ideias pr√≥prias, mas sim a educa√ß√£o e a vida que tiveram at√© chegar aonde est√£o hoje. S√£o os que chamo de Cafonas com C mai√ļsculo e Nizan os chama de gente caipira. N√£o √© s√≥ de estilo, pessoas com todo o dinheiro do mundo que poderiam ter uma vida mais interessante e claro, mais inteligente. Esses sim, s√£o os verdadeiros pobres, e n√£o estou falando de suas contas banc√°rias gordinhas.
Meu av√ī paterno, Arnon de Mello, tinha um dizer muito interessante que levo comigo sempre e cruza justamente com essa ideia: “quem n√£o se interessa, n√£o interessa”. Frase simples mas de car√°ter intenso que me deparo todos os dias com pessoas aqui e ali que t√™m opini√£o de tudo e n√£o sabem de quase de nada.

Concluindo, penso que talvez essas pessoas devam ficar com o que t√™m para que as que t√™m conte√ļdo, se destaquem e chamem aten√ß√£o de quem realmente importa, pois pelo visto ser√° dif√≠cil mudar a cultura do Champagne com foguinho e Ferraris. Mas ao menos que n√£o passe essa ideia adiante para os seus filhos. Aproveito o gancho das aspas de Nizan e digo: “Pois √© com educa√ß√£o e n√£o dinheiro no bolso, que o Brasil ir√° melhorar, independente da incitava do governo… isso √© algo que primeiramente deve ser feito dentro de casa”.

Para ler o coment√°rio de Nizan, clica AQUI que vale a pena a leitura.

Ufa!

Imagem: Reprodução

Se voc√™ tiver a sorte de estar pelo aeroporto de Heathrow em Londres durante esse m√™s, n√£o perca a exposi√ß√£o Chineasy. A mostra, que conta com curadoria da marca Paul Smith, traz ilustra√ß√Ķes do livro hom√īnimo¬†Chineasy: The New Way to Read Chinese e a¬†proposta √© transformar os ideogramas complexos do alfabeto tradicional chin√™s em p√īsteres divertidos e minimalistas. Aqui v√£o algumas das obras que te esperam por l√°.

 

 

 

Chinese made easy!

Imagens: divulgação
Por: Thiago Gil (instagram: @thiagobg)

Todos que acompanham o site sabem o quanto somos apaixonado por m√ļsica e por cinema. Quando conseguimos unir nossas duas paix√Ķes √© motivo mais que o suficiente para nos deixas ansiosos. √Č assim que estamos ap√≥s ver o trailer de “Get on Up”, a biografia do mestre James Brown. O ator Chedwick Boseman ir√° viver todos os altos e baixos da carreira do rei do funk. Com dire√ß√£o de Brian Gazer, o filme promete agradar a todos os f√£s do cantor e tamb√©m aqueles que adoram um bom drama. Agora √© s√≥ aguardar o an√ļncio da data de estr√©ia aqui no Brasil!

“Like a sex machine”

Por: Thiago Gil (instagram: @thiagobg)

Esse ano S√£o Paulo recebeu duas exposi√ß√Ķes bem legais pra quem gosta de moda, cinema, fotografia e universo pop em geral, a Chanel Little Black Jacket na OCA e a exposi√ß√£o do Stanley Kubrick no MIS. Ano que vem √© a vez da David Bowie Is, uma exposi√ß√£o com objetos, fotos e todo o tipo de objeto que tenha sido usado ou tenha influenciado o camale√£o do Rock.

A exposi√ß√£o tamb√©m ocorrer√° no Museu da Imagem e do Som e acontecer√° do dia 28 de janeiro a 21 de abril de 2014. Em breve informa√ß√Ķes sobre os pre√ßos dos ingressos.

“We could be heroes”

Fotos: Reprodução
Por: Thiago Gil (instagram: @thiagobg)

Não é sempre que a Nike abre as portas de seu quartel general, situado no Estado do Oregon nos Estados Unidos. Nessas raras oportunidades ficamos impressionados com a estrutura dos caras e entendemos porque são, há tanto tempo, líderes em produtos esportivos. Tudo parece saído do sonho de um cientista fanático por esportes.

Essa s√©rie de fotos, divulgada pela pr√≥pria empresa, mostra pistas de testes, quadras e centro de treinamento de atletas e at√© os funcion√°rios em momento de lazer e pr√°tica esportiva. O passeio tamb√©m passa pelo Nike Heritage center, onde as reliquias da empresa s√£o guardadas e tamb√©m pelo “Jardim de Bronze”, com esculturas de √≠cones da marca como Ronaldo Fen√īmeno e Michael Jordan.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Just Do It!

Fotos: ReproduçãoN

Por: Thiago Gil (instagram: @thiagobg)